13 de março de 2010

bilhete no varal IV

.
.
Querido você: as palavras ainda não chegaram. Leva tempo. É que elas são basicamente som e prisão de significados. Ou não. A verdade é que já posso ver o clarão do seu olhar ao expandi-las na direção do meu-sentir. Tenha paciência, elas chegarão. Então, eu saberei o tamanho do querer que o tempo construiu sem saber.
.
.

4 comentários:

Tailane disse...

Que bonito, isso dona moça... Como sempre, seu varal estendendo delicadezas.

beijão!

poesia potiguar disse...

Viviane,

deixei o recado acima usando a conta da minha filha. Não tinha percebido, sorry.

Mas o que vale é reconhecer as delicadezas, certo?

beijos!

C. disse...

Ah, que linda! =]

Viviane Veiga Távora disse...

Claro, Goimar.
Uma delicadeza reconhecida, assim, por você, é um tesouro...
Beijos!