3 de setembro de 2009

varal em porto


Foi assim: não deu pra torcer o tempo e o pendurei escorrendo mesmo. Inundou o quintal inteiro! Pensei em ter um troço, mas não tive. O tempo é sempre assim, mesmo que eu torça bem, ele escorre. O bacana foi que a inundação trouxe um barco de papel que estava navegando nas cores de um ciruelo... Bom pro tempo, melhor pra mim!





3 comentários:

poesia potiguar disse...

ai, que lindo...

Natan de Alencar disse...

Tempo que escorre, domínio no torcê-lo em palavras, belas imagens..

Viviane Veiga Távora disse...

Obrigada, Goimar! Seja bem vindo, Natan!